Psicologia (10)

Mostrando todos os 10 resultados

Ordenar por:
  • img-book
    Amar é bom de Leniza Castello Branco R$ 5,90

    “Leniza Castello Branco nos brinda com um lançamento cujo tema tem sido abordado desde a autoajuda até a mais sofisticada psicanálise. O tema do amor e do relacionamento constitui quiçá o maior desafio da natureza humana. Ávidos por respostas que elucidem um tremendo enigma, as pessoas recorrem a toda fonte de explicações e de análises ou, ainda, a previsões esotéricas.

    O diferencial de Leniza é sua linguagem acessível e profunda ao mesmo tempo. Consegue a arte de reunir a experiência profissional de anos como analista e a apurada e sensível percepção dos seres humanos, de seus anseios e procuras. (…)

    O livro é convidativo e oferece um diálogo certamente proveitoso para entender situações de conflito nos relacionamentos de parceria, familiares, entre pais e filhos, e vislumbrar recursos para melhor lidar com eles.”

    (trecho do prefácio, por Liliana Liviano Wahba)

    Dividido em 12 seções principais – conquista, crises, dinheiro, família, indecisão, maturidade, planos, separação, sexo, traição, ciúmes, violência –, o livro apresenta mais de 80 crônicas para tornar o seu relacionamento mais feliz e, por fim, permitir que você afirme com todas as letras que amar é bom.

  • img-book
    Clínica Social e Psicoterapia Corporal: Um conjunto de experiências em Análise Bioenergética Focada de Héctor Fiorini, Karin Giambiagi de Marval, Léia Cardenuto, Lúcia Magano, Marina Ricco Pedroso, Silvana Tenório, Zoca Freire, R$ 9,90

    Destinado a terapeutas, estudantes, docentes e todos interessados nos temas da saúde mental, esta publicação relata o inspirador histórico de fundação de uma Clínica Social, as múltiplas ferramentas utilizadas e as experiências geradas neste fazer, seja na clínica, no contexto escolar ou na saúde pública.

    O livro reúne artigos produzidos pelos profissionais envolvidos na estruturação e funcionamento da Clínica Social do Serviço de Atendimento Psicoterapêutico Social (SAPS), do Instituto de Análise Bioenergética de São Paulo. O serviço foi iniciado há quase 20 anos e nessa publicação evidenciam-se as bases práticas e filosóficas que norteiam o trabalho de atendimento psicoterapêutico destinado a pessoas com dificuldades financeiras.

    Além das seis psicólogas fundadoras, o e-book inclui um diálogo de supervisão orientada pelo médico e professor argentino Héctor Fiorini, que trouxe a base da psicoterapia focada para aliar-se ao conhecimento da bioenergética, uma linha de terapia corporal fundamentada por Alexander Lowen.

  • img-book
    Imre Kertész e o desterro humano de José Alberto Cotta, Gilberto Safra, László F. Földényi, Maria Inês Batista Campos, Marilia Amorim, R$ 9,90

    Ser sem destino é o destino do ser? Quem sou eu? Ser tratado pelo Outro como nada, como coisa, como ninguém. Estas perguntas e questões perpassam a obra literária de Imre Kertész, autor, por excelência, da condição humana de desterro. Neste livro, os autores abordam a rica contribuição da Literatura para a clínica psicanalítica contemporânea, em especial, para a compreensão do sofrimento oriundo do desenraizamento humano e da quebra do ethos humano.

    Fruto do Seminário Interface entre Psicanálise e Literatura: Visitando Imre Kertész, realizado no Instituto de Psicologia da USP, em Abril de 2004, este livro apresenta artigos concebidos por pesquisadores que se apresentaram no referido Seminário: O testemunho na situação clínica: Literatura e Psicanálise, por Gilberto Safra; Culture, repression, Holocaust: Kertész Imre and Sigmund Freud, por Gyuri Vári; Desterro humano: contribuições de Imre Kertész para a clínica contemporânea, por José Alberto Cotta; A dor e o exílio em A criatura dócil: fronteiras estéticas e éticas, por Maria Inês Batista Campos; Notas sobre a questão do exílio e Psicanálise e Literatura: a contribuição de Mikhail Bakhtin, por Marilia Amorim. O artigo Le couperet de l’art, de László F. Földényi, foi apresentado no Colóquio Imre Kertész: éthique du récit et forme d’existence, organizado pelo Collège de France/ENS-Ulm/Paris VIII, em Outubro de 2013.

  • img-book
    Jacques Lacan: Além da clínica de Vladimir Safatle, Antonio Quinet, Christian Ingo Lenz Dunker, Colette Soler, Dominique Fingermann, Eduardo Socha, Gilson Iannini, Guilherme Oliveira, Joel Birman, Marcus Cesar Ricci Teshainer, Maria Lucia Homem, Miriam Debieux Rosa, Nelson da Silva Jr., Paulo Beer, Ronaldo Manzi, Tania Rivera, Vanessa da Cunha Prado d’Afonseca, R$ 9,90

    Texto integral da revista CULT especial Jacques Lacan – Além da clínica.

    Edição mostra em que medida o pensamento lacaniano contribui para os debates sobre filosofia moral, teoria do conhecimento, questões de gênero e o lugar da arte contemporânea.

    “A psicanálise é […] experiência única, aliás bastante abjeta, mas que é impossível recomendar em demasia aos que pretendem introduzir-se no princípio das loucuras do homem, pois, por se mostrar aparentada com toda uma gama de alienações, ela as esclarece”, Jacques Lacan.

    Com ensaios de: Antonio Quinet, Christian Ingo Lenz Dunker, Colette Soler, Dominique Fingermann, Eduardo Socha, Gilson Iannini, Guilherme Oliveira, Joel Birman, Marcus Cesar Ricci Teshainer, Maria Lucia Homem, Miriam Debieux Rosa, Nelson da Silva Jr., Paulo Beer, Ronaldo Manzi, Tania Rivera, Vanessa da Cunha Prado d’Afonseca, Vladimir Safatle.

  • img-book
    Peixe-elétrico #02 de Fredric Jameson, Bruno Rodrigues, Carlos Guilherme Mota, David Oubiña, Elias Thomé Saliba, Inés Azar, Leyla Perrone-Moisés, Lina Meruane, Maria Elisa Cevasco, R$ 9,90

    Nesta edição:

    A estética da singularidade – FREDRIC JAMESON
    Fredric Jameson volta a pensar a arte contemporânea em texto publicado originalmente na revista New Left Review. Autor de um estudo que influenciou gerações posteriores – Pós-modernismo, ou a lógica cultural do capitalismo tardio –, o grande intelectual norte-americano analisa algumas manifestações culturais para notar o caráter de singularidade que a arte pode estar tomando. Como sempre, Jameson utiliza em sua análise um arco bastante amplo de exemplos: da culinária à economia, passando pelo cinema e pela literatura.

    Introdução ao pensamento de Fredric Jameson – MARIA ELISA CEVASCO
    Principal especialista brasileira na obra de Fredric Jameson, Maria Elisa Cevasco apresenta o ensaio “A estética da singularidade” e publica uma longa entrevista com o autor. Tradutora de Jameson para o português, Cevasco esclarece os principais pontos de sua obra e aponta alguns caminhos de interpretação.

    Uma verdade revolucionária – LINA MERUANE
    Autora do romance Sangue no olho, a escritora chilena, descendente de palestinos, Lina Meruane publica um conjunto de crônicas descrevendo sua visita à Palestina em busca de suas raízes familiares. Com o mesmo estilo tenso de seus textos de ficção, as crônicas traduzem bem a situação palestina, o clima de opressão e preconceito que cerca um dos povos mais marginalizados do mundo contemporâneo.

    Fotos da Cisjordânia – RAFAEL GUENDELMAN
    As fotos de Rafael Guendelman ilustram não apenas o conjunto de crônicas de Lina Meruane como toda esta edição da Peixe-elétrico: eloquentes e ao mesmo tempo profundas, mostram a cor e o rosto da Palestina.

    Knausgård e a arte da autoficção – LEYLA PERRONE-MOISÉS
    Sempre atenta à literatura contemporânea, Leyla Perrone-Moisés analisa a obra do escritor norueguês Karl Ove Knausgard, decifrando os mecanismos de composição da série Minha luta, apresentando inclusive as possíveis razões do sucesso de público dos livros. O texto é exemplar da concepção de resenha que Peixe-elétrico cultiva.

    Revolução conservadora – ELIAS THOMÉ SALIBA
    Uma nova e polêmica abordagem da história do Brasil – a passagem do Império para a República – nos é apresentada em resenha do livro do historiador Marcos Costa. Saliba encontra as raízes dessa ideia, bem como sua originalidade e limites.

    O Tempo domesticado – CARLOS GUILHERME MOTA
    Se a biografia é um dos gêneros mais difíceis para um historiador, o que dizer então da autobiografia? Mota apresenta o rascunho inicial de sua futura autobiografia, no qual abre para o leitor dilemas epistemológicos e afetivos para se lidar com o próprio passado vivido.

    As matemáticas em Borges – INÉS AZAR
    A crítica argentina radicada nos Estados Unidos aprofunda o estudo das bases teóricas matemáticas que permeiam a composição de diversos textos do grande autor argentino Jorge Luis Borges. Situa assim o autor juntamente com a revolução no campo da física ocorrida no início do século XX e nos apresenta o que há de original na forma como ele entendeu essas mudanças no campo do saber.

    Borges e o cinema – DAVID OUBIÑA
    Jorge Luis Borges começa a perder a visão quando surge o cinema moderno. No entanto o crítico de cinema argentino David Oubiña revela o quanto Borges foi um entusiasta do surgimento do cinema e como, paradoxalmente, essa limitação ao cinema antiquado marcou os rumos da construção de uma obra literária moderna.

    A educação pela pedrada – BRUNO RODRIGUES
    Partindo de uma análise das manifestações de 2013, o ensaísta tenta compreender como as novas mudanças no panorama editorial brasileiro influenciam a própria concepção de cultura, ao mesmo tempo em que avalia a queda para o oficialismo que no geral tem dominado a literatura brasileira contemporânea.

    O contemporâneo entre tapas e beijos – RICARDO BARBERENA
    O artigo procura mostrar as dificuldades que um crítico literário enfrenta ao lidar com o texto contemporâneo. Além das dificuldades inerentes à própria análise de uma obra, o que está em jogo quando se trata do contemporâneo é um objeto que sequer foi inteiramente conhecido. Como estudar o que não se compreende por inteiro?

  • img-book
    Peixe-elétrico #03 de Beatriz Sarlo, Javier Cercas, Terry Eagleton, Tales Ab’Sáber, Selva Almada, Michael Löwy, Pedro Meira Monteiro, Victor Heringer, Felipe Charbel, Denilson Cordeiro, R$ 9,90

    Nesta edição de Peixe-elétrico:

    O romance de Barthes – BEATRIZ SARLO
    Barthes, leitor de Loyola – BEATRIZ SARLO
    Dois textos da ensaísta Beatriz Sarlo abrem a terceira edição da Peixe-elétrico. Duas formas inéditas e surpreendentes de enfrentar a obra daquele que foi sua principal referência intelectual: Roland Barthes.

    A pele da cebola – JAVIER CERCAS
    Como contar a verdade a respeito de uma mentira? Quanto há de verdade em um falso relato? Tentar entender é o primeiro passo para perdoar? Essas são algumas das questões colocadas pelo premiado autor espanhol Javier Cercas para enfrentar os dilemas de narrar a vida de um dos maiores impostores da história.

    Jameson e a forma – TERRY EAGLETON
    Alguns autores podem e devem ser reinterpretados continuamente. Fredric Jameson, capa da edição anterior da Peixe-elétrico, certamente é um deles. Nosso segundo texto originalmente publicado pela prestigiosa New Left Review é do britânico Terry Eagleton e trata da importância da forma na escrita de Jameson.

    Da experiência ao melhor entretenimento do mercado – TALES AB’SÁBER
    Ab’Sáber escreve sobre o fim da ideia de contracultura, ou melhor, de sua absorção total pelo mercado. Um tema central para se enfrentar os desafios culturais da contemporaneidade. Originalmente encomendado por um grande veículo de imprensa, mas nunca publicado. Segundo o autor, o texto havia atravessado “certos limites”.

    Meninas mortas – SELVA ALMADA
    Autora do consagrado romance “O vento que arrasa”, Selva Almada publica um conjunto de crônicas sobre feminicídio na Argentina. Com a mesma sofisticação estilística de sua ficção, Almada traz à tona essa trágica dimensão da vida contemporânea.

    Remanentes – NINO CAIS
    As imagens que ilustram esta edição são do artista plástico Nino Cais. Apresentadas pela primeira vez em Buenos Aires, o flerte com o pornô nas colagens de Cais vêm confrontar a onda conservadora que avança pelo Brasil.

    Laudato Si – MICHAEL LÖWY
    O marxista Michael Löwy aponta a radicalidade e os limites da ação do Papa Bergoglio ao analisar a encíclica sobre meio ambiente, Laudato Si.

    Atenção e indiferença: o sentido em Machado de Assis – PEDRO MEIRA MONTEIRO
    O crítico literário Pedro Meira Monteiro parte do romance derradeiro de Machado de Assis – “Memorial de Aires” – para resgatar os principais pontos da crítica machadiana e colocá-los diante de novas questões.

    O Bispo é o rei do Brasil – VICTOR HERINGER
    O carioca radicado em São Paulo Victor Heringer publica um ensaio nada convencional sobre Arthur Bispo do Rosário, e tenta compreender um dos aspectos da contemporaneidade: a distração.

    Diário de uma releitura – FELIPE CHARBEL
    Em um texto que corre no limite entre o ensaio e a ficção, Charbel cria um ambiente rothiano ao apresentar um diário pessoal que tem como fio condutor o livro “O Teatro de Sabbath”, de Philip Roth.

    A túnica inconsútil do romantismo – DENILSON CORDEIRO
    Cordeiro resenha “As raízes do romantismo”, de Isaiah Berlin e, em um duplo movimento, demonstra a centralidade do autor e do período histórico em questão.

  • img-book
    Peixe-elétrico #05 de Ana Paula Pacheco, Bruno Rodrigues, Flávio Ricardo Vassoler, Garnette Cadogan, Sérgio Tavares, Silviano Santiago, Ricardo Lísias, Thiago Blumenthal, R$ 9,90

    Nesta edição:

    Hélio Oiticica em Manhattan – SILVIANO SANTIAGO
    Silviano Santiago dialoga com o artista plástico a partir de suas memórias da década de 1970, quando frequentava o apartamento dele em Nova York. Crítica e memória se misturam num texto intenso e generoso.

    Em um segundo ensaio – “Meditação sobre o ofício de criar” –, relendo seus próprios textos, Silviano Santiago analisa o fenômeno da autoficção na literatura contemporânea.

    Norte magnético – GARNETTE CADOGAN
    Jamaicano radicado nos EUA, Garnette Cadogan traz ao leitor brasileiro um pouco de seu projeto de fenomenologia da caminhada. Ao andar por bairros constrastantes em Nova York, Cardogan discute a dinâmica das mudanças culturais em cenários urbanos, a partir do olhar de quem caminha e observa. Racismo, luta de classes, urbanismo e violência, são lidos de muito perto.

    Iracema – uma transa amazônica – ANA PAULA PACHECO
    Ana Paula Pacheco analisa o filme “Iracema – uma transa amazônica”, observando como a modernidade chega em espaços abandonados, trazendo consequências de toda ordem. A experimentação formal dos diretores cria uma ficção documental até hoje valiosa e significativa para a compreensão do nosso atraso.

    Réquiem e utopia – FLÁVIO RICARDO VASSOLER
    Com estilo forte e bastante erudição (sem falar na experiência de quem conhece o Império russo pessoalmente) Vassoler analisa a obra de Svetlana Alexievich, a mais recente Prêmio Nobel de Literatura, notando tanto a originalidade de sua obra como a força de denúncia que ela traz no bojo de vozes desencontradas e perdidas em meio a um Império em franca decadência.

    O tom de Nuno Ramos – RICARDO LÍSIAS
    Ricardo Lísias resenha o livro “Sermões” de Nuno Ramos e a partir dessa leitura procura elementos que organizem a obra literária e visual do artista paulistano.

    Destroços: um romance – BRUNO RODRIGUES
    Em um texto fragmentário e errante, Bruno Rodrigues retoma as questões que seu primeiro texto publicado na Peixe-elétrico (edição # 2) já apresentava: as exclusões que o cânone literário representa, o elitismo que persiste em muitas questões literárias e a militância urgente que nosso tempo parece recusar.

    O triunfo do leitor – THIAGO BLUMENTHAL
    O ensaio analisa o novo status que a figura do leitor parece estar assumindo em um tempo em que mais do que ler, é preciso mostrar esse ato, declará-lo ao mundo e, ainda mais, ilustrar-se publicamente com os efeitos dessa leitura.

    Operação Tobias – SÉRGIO TAVARES
    Tavares reflete sobre o caso do folhetim eletrônico Delegado Tobias. O texto analisa as novas hipóteses de porosidade no ato da leitura e, consequentemente, os limites da ficção.

    Nova York lado B – RUDDY ROYE
    Esta edição é toda ilustrada por flagrantes de Nova York clicados pelo militante e talentoso fotógrafo Ruddy Roye.

  • img-book
    Peixe-elétrico #06 de Amnéris Maroni, Angela Davis, Arcadio Díaz-Quiñones, Aziz Ab’Sáber, Bruno Walter Caporrino, Francesca Angiolillo, Keith A. Spencer, Laura Erber, Peter Sloterdijk, Ronald Polito, R$ 9,90

    Nesta edição:

    Sobre os princípios – ARCADIO DÍAZ QUIÑONES
    Neste ensaio, o crítico porto-riquenho pensa a respeito das relações dos escritores e intelectuais com a tradição, ou seja, como a imaginaram e como falam dela. Os editores da Peixe-elétrico e Pedro Meira Monteiro também entrevistam o intelectual.

    O legado da escravidão: parâmetros para uma nova condição da mulher – ANGELA DAVIS
    A norte-americana reinterpreta o papel das mulheres durante a escravidão para estabelecer novos parâmetros para a luta feminista.

    Mulherio
    Oferecemos ao leitor quatro páginas fac-símile da histórica revista Mulherio, com ilustração de HENFIL.

    Por que os ricos adoram o Burning Man – KEITH A. SPENCER
    Da revista JACOBIN, parceira da Peixe-elétrico, publicamos um artigo que analisa a atuação dos milionários do Vale do Silício e como a filantropia deteriora pilares democráticos. Tudo embalado por música eletrônica no festival Burning Man.

    Transmissão de pensamentos – PETER SLOTERDIJK
    O filósofo alemão trata da transmissão de pensamentos e como essa ideia foi rejeitada ou aceita durante a modernidade.

    Diário do sertão – Laura Erber entrevista Aziz Ab’Sáber
    Um mergulho no sertão e nas memórias de um grande intelectual engajado.

    Perder e ganhar um país – FRANCESCA ANGIOLILLO
    A jornalista viaja à Etiópia e se vê sem referências para entender o país africano.

    Pequena autópsia de um povo sem alma – BRUNO WALTER CAPORRINO
    Um relato da experiência com o Programa de Formação de Pesquisadores Wajãpi e de sua quase morte nas redes do SUS do Pará.

    Conflitos ontológicos na psicanálise – AMNÉRIS MARONI
    A guerra entre escolas dentro do campo da psicanálise é o tema do ensaio.

    Barbárie e barbárie – RONALD POLITO
    Na resenha desta edição, Polito enxerga duas saídas no romance A vista particular: barbárie e barbárie.

    Como desenhar crianças – MARCELO AMORIM
    A edição é ilustrada com a série de pinturas Primeira leitura. Desenhos singelos mas carregados de ideologia e poder. Texto de PAULO GALLINA situa a obra de Amorim.

  • img-book
    Self cultural de Tales Ab’Sáber R$ 9,90

    Em fragmentos de sua própria experiência na clínica, onde tudo tem início e fim em psicanálise, Ab’Sáber nos apresenta um mergulho profundo e desafiador na trama simbólica e concreta do mundo na determinação das formas de sofrimento psíquico atuais.

    O título faz parte do selo Peixe-elétrico Ensaios, que apresenta ao leitor de língua portuguesa um conjunto de intervenções críticas em formato e-book. Ensaios clássicos ao lado de textos contemporâneos para serem baixados no mundo todo e por preço acessível.

    Com a mesma independência e disposição contra-ideológica da revista Peixe-elétrico, os ensaios aqui publicados pretendem estimular o debate crítico no país e responder às novas configurações do mercado editorial tradicional, afirmando o digital como espaço privilegiado para esse tipo de obra.

    Principais áreas: crítica literária, psicologia, filosofia, história da cultura e sociologia.

    Próximos títulos: “Meios e fins”, de Ricardo Piglia; “Futuro abolido”, de Pedro Meira Monteiro.

  • img-book
    Terapia sexual – A vida com mais prazer de Glícia Neves R$ 14,90

    A busca por prazer faz parte da natureza humana. Todas as nossas ações são de alguma forma para suprir essa necessidade. O prazer não é ruim para nossa vida, pelo contrário, é essencial para compensar os infortúnios do cotidiano.

    Buscamos prazer no trabalho, música, convívio com familiares, amigos, comida, atividade física, sexo, ou seja, em todas as áreas. Uma pessoa que tem prazer na vida vivencia sua sexualidade com mais leveza e entrega.

    O prazer é libertador. Para se alcançar essa liberdade, precisamos pagar o preço da busca. Existem vários níveis de prazer, é como subir uma escada, alguns ficam só no primeiro degrau, satisfazendo apenas os prazeres primitivos, muitos são escravizados por ele. Quando essa busca é só pela matéria, o prazer se torna vício.

    Escrito para as mulheres, este livro irá trazer uma forma prática e eficiente de ter no parceiro o amante que sempre se quis por meio da resolução dos conflitos pessoais e no relacionamento. Cada capítulo trará um case de atendimento, ferramentas e tarefas que farão as leitoras pensarem e as levará a terem uma nova postura perante seu parceiro.