Mostrando 277–288 de 335 resultados

Ordenar por:
  • img-book
    Punição e liberdade no Brasil de Paula Bajer Fernandes R$ 14,90

    Este livro narra a história do processo penal no Brasil desde os tempos da Colônia até os dias de hoje.

    Esta reedição atualizada e revista traz análises de casos recentes no Brasil: Mensalão e Lava Jato. Discute também a influência da mídia e da tecnologia na esfera jurídica.

    Um livro escrito por especialista na área, mas pensando em fornecer as ferramentas básicas para que o cidadão comum consiga entender o que está em jogo nos grandes e também nos pequenos processos penais com as quais pode se defrontar no dia a dia.

    Nunca a Justiça esteve tão presente no cotidiano dos brasileiros. É hora de tomar nas próprias mãos o entendimento desse emaranhado de narrativas que muitas vezes desconcerta a todos, mas pode ser mais simples do que parece.

    Paula Bajer é doutora em direito na área de processo penal pela Universidade de São Paulo.

  • img-book
    Quebranto de Marcos Almeida R$ 11,90

    A angústia de um escravo diante da iminência de uma caçada humana. Uma Maria inquieta que reencontra ao acaso o ex-namorado depois de anos. Um balconista de padaria se preparando para os embates de uma melancólica ceia de Natal. Um jovem recenseador, vagando sozinho por espaços vazios e por vezes até fantasmagóricas de tão ermos, na expectativa de reencontrar um antigo e misterioso colega de escola desparecido. Cada um dos personagens deste livro, em certa medida esperançosos e em busca de algum tipo de redenção, nos oferece um generoso encontro com nossas próprias inquietações.

    Com uma linguagem simples e personagens cativantes, Marcos Vinícius Almeida se propõe a revisitar um espaço relativamente esquecido na ficção atual: o interior – pobre, periférico e em vias de extinção. E não há qualquer sombra de bucolismo. O interior presente nas dez narrativas aqui reunidas, tanto o geográfico quanto o psicológico, nem sempre é acolhedor. É hostil, e por vezes, até cruel.

  • img-book
    Quem mexeu no meu trema? de Max Gehringer R$ 11,90
  • img-book
    Rachel Rachel de Heloisa Buarque de Hollanda R$ 14,90

    “Eu me prometi, várias vezes, por vários anos, fazer um livro de fôlego sobre Rachel [de Queiroz]. Analisar sua obra moderna, seu perfil feminista, sua paixão política, seu estilo único, sua firmeza no trato com a palavra. Mas nunca escrevi esse livro […].”Se o livro de fôlego nunca foi escrito, podemos saborear em “Rachel Rachel” os ensaios e fragmentos de Heloisa Buarque de Hollanda para a realização dessa grande obra que, paradoxalmente, se revela aqui por inteira.O livro inclui os seguintes textos: “A roupa de Raquel um estudo sem importância”; “Rachel de Queiroz, profissão jornalista”; “Como entender Rachel de Queiroz?”; “O ethos Rachel”. E ainda o belo texto escrito por Heloisa e Rachel a quatro mãos “Dona Fideralina de Lavras”.

  • img-book
    Regras de fuga de Eleazar Venancio Carrias R$ 7,90

    Coletânea de poemas escritos entre 2008 e 2015, período no qual o poeta personagem usou experiências pessoais – solidão, divórcio, depressão, bebedeiras, homoerotismo etc. – como desculpa para escrever sobre o que considera ser uma condição do homem contemporâneo: um ser permanentemente em fuga de si mesmo. Fuga duplamente impossível, porque, desde já, configura também um retorno, mas um retorno sem objeto. Imerso nessa condição absurda, o poeta personagem não deixa, porém, de entrever os momentos de beleza que, raros mas insistentes, contaminam o caos da vida mundana.

  • img-book
    Respirando de Antonio Augusto R$ 8,90

    “Quem tem um alien desenvolvido sofre e faz sofrer. Há relações entre os aliens de duas pessoas que se consomem mutuamente. É tristeza que transborda e machuca, um desperdício de tempo e vida.

    Aliens são sabotadores da felicidade. Ao primeiro sinal de bem-estar, lá vêm eles apontando o que está errado, buscando a porta de saída, olhando o que falta, o que poderia ser diferente. Sim, aliens adoram o futuro do pretérito: poderia, deveria, seria, estaria, melhoraria, gostaria. Tudo iria, mas não vai, porque o alien vive da incompletude, da falta, da incerteza, da dúvida. Aliens se alimentam do ideal que não chega.

    Aliens detestam dormir junto, pernas enroscadas debaixo do cobertor, Sessão da Tarde em dia frio, pipoca, vinho e bate-papo, música, viagens e todas essas coisas que aproximam as pessoas da essência do encontro. Aliens gostam de jogos, de manipulação, de bancar o detetive, de traição, de culpa, de expor as fraquezas do outro, de torná-lo menor, de virar as costas, de dubiedade, de confundir. Aliens adoram a escuridão, o que não é dito, profecias autorrealizadas. Aliens adoram a frase ‘Eu te disse!’.”

  • img-book
    Rubores de Leandro Jardim R$ 14,90

    Leandro Jardim publicou anteriormente dois livros de poesia: Todas as vozes cantam (7Letras, 2008) e Os poemas que não gostamos de nossos poetas preferidos (e outros exercícios ensimesmados) (Orpheu, 2010). Desde então, Jardim se dedica à composição em parcerias com músicos como Matheus Von Krüger, Rafael Gryner, Diogo Cavadal e Anna Clara Valente. Ele mantém o blog http://leandrojardim.blogspot.com.br/Elefantes na varanda, dedicado à música e à literatura.

    Segundo Ramon Mello, autor de Vinis mofados (Língua Geral, 2009) e Poemas tirados de notícias de jornal (Móbile, 2012), o autor retrabalha sua relação com a poesia na forma da prosa. Assim, Jardim trata de forma delicada o texto e proporciona “um jogo de revelações, simulações e transformações” onde “em cada história acompanhamos a busca pela significação da vida e seus mistérios”. Já Antônio Xerxenesky, autor de Areia nos dentes (2008/2010) e A página assombrada por fantasmas (2011, ambos pela Rocco), afirma se tratar de uma estreia vigorosa. Em seu prefácio, também menciona a ligação entre a prosa e a poesia e a criação literária em si. “Para a sorte do leitor, Leandro Jardim se atira de cabeça em ambos, construindo uma prosa inquieta, repleta de narradores movidos pela curiosidade”, destaca.

  • img-book
    Sabedoria do silêncio de Civitas Solis R$ 11,90

    Desde tempos imemoriais que o Hermetismo e a Rosacruz estão presentes na história do pensamento. Os seus esforços por libertar o ser humano da ignorância, por lhe transmitir um conhecimento mais aprofundado das coisas e, assim, elevá-lo a uma maior liberdade de consciência, deixaram uma marca indelével no humanismo ocidental.

    De onde jorra a fonte deste progresso civilizacional da humanidade? Diz Hermes Trismegistos: “Da Sabedoria que pensa no Silêncio, e da Semente que é o Único Bem”.

  • img-book
    Safada de Nalini Narayan R$ 9,90

    Polêmica, a autora homenageia Catherine Millet e Paulo Coelho numa ousada mistura de orgia e misticismo, sexo e magia. Sua prosa clara e engajada não falha em impactar o leitor para além do bem e do mal. Em tempos de moralismos exacerbados, esta obra é um manifesto pela liberdade, original e divertido, que nocauteia sem medo essas bandeiras empoeiradas.

  • img-book
    Se o grão de arroz não morre: colônias de imigrantes japoneses de Masayuki Fukasawa R$ 14,90

    Colônias de imigrantes japoneses: desvendando onde e como tudo começou

    Em março de 1912, quatro anos depois da chegada do navio de imigrantes Kasato-maru, o fundador da colônia, Ikutaro Aoyagi fechou um contrato com o Governo Paulista na qual recebia 50 mil hectares de terra de graça com a condição de instalar um núcleo colonial. Na época, o Japão passava por uma grave crise de escassez de alimentos a ponto de ocorrerem diversas revoltas populares desencadeadas pela alta do preço do arroz. Os homens proeminentes da Era Meiji vislumbraram criar uma colônia com o objetivo de “enviar japoneses emigrantes, plantar arroz e fornecer a produção ao Japão”.

    Nas eras Meiji e Taisho (1868-1926), o Japão tentou criar conexões com o mundo por meio da emigração, que é um mecanismo de cooperação internacional, mas, em 1934, o Brasil promulgou a lei que restringia a imigração a uma cota de 2% do total de ingressantes no país nos últimos 50 anos, o que na prática, fechava as portas de entrada da América do Sul aos japoneses. A pressão emigratória japonesa da época era como uma panela de pressão a alta temperatura com a válvula girando e cuspindo vapor sem parar. Toda essa energia foi se voltando para a Manchúria e o Governo Japonês promoveu a emigração para as regiões da Manchúria e Mongólia organizando Grupos de Imigrantes Armados capitaneados pelo Exército de Guangdong.

    Essa foi uma grande encruzilhada da história.

    Como se a chama tivesse se apagado, o interesse pela emigração ao Brasil foi se reduzindo até o ponto em que no pós-guerra, a empreitada foi praticamente esquecida dentro da história contemporânea japonesa. A deflagração do conflito do Pacífico fez os japoneses do Brasil serem perseguidos como cidadãos inimigos do Eixo, principalmente nas regiões litorâneas como Santos e Registro.

    Apesar das tentativas, o plantio do arroz não era bem sucedido e os colonos passaram por sérias dificuldades. Em 1943, Torazo Okamoto pegou escondido sementes de chá preto da fábrica da Lipton no antigo Ceilão, Sri Lanka, e as trouxe até Registro, fazendo com que a região renascesse como a Capital Brasileira do Chá. Os japoneses criaram a “Capital do Chá” dentro do “Reino do Café”. Em seu auge, sete empresas competiam entre si para produzir 12 a 13 mil toneladas de chá, o que representava 85% de toda a produção nacional. O país, no entanto, perdeu competitividade internacional devido à variação do câmbio.

  • img-book
    Segredos e sussurros de Eder C. R. Quintão R$ 14,90

    Esta é a primeira incursão literária do autor. São contos, crônicas e poesias reunidos em uma ‘conversa fiada’ que vai se criando e recriando sem tempo e sem pressa, como na mesa de um bar imaginário. Ao redor dessas personagens da imaginação, o mundo, visto nas suas andanças e nos seus mistérios cotidianos. Os contos são histórias sem qualquer respaldo em fatos ocorridos: são realidades apenas da imaginação. As crônicas são fantasias sobre reminiscências ao longo da vida: algumas ocorreram numa cidade fluminense, nisto apenas emulando Machado de Assis que também colocou na fluminense Itaguaí seu imaginoso hospício.

    Quanto às poesias, ora, estas são humildes jogos de palavras, e seu valor, as emoções que provocarem. São sensações com rimas apenas para lhes conferir musicalidade, enquanto a qualidade fica à mercê do leitor. Rimas conferem um canto – espécie de moldura das frases – enquanto a emoção do poema pode dispensá-las pela sutileza das ideias, pela lógica e o irreparável sentimento de que todo o texto é insubstituível. Quem não sonharia em poetizar como Machado de Assis em sua dedicatória a Carolina unindo perfeição de adjetivos, música da rima e comoções pungentes.

  • img-book
    Segundas pessoas de Sergio Leo R$ 1,99

    A leitura como personagem, uma paixão que atravessa páginas: pessoas, segundas, primeiras.

    Sergio Leo ganhou o Prêmio Sesc de Literatura 2008 na categoria Contos, com o livro Mentiras do Rio, publicado posteriormente pela editora Record. Em 2014 publicou o livro-reportagem Ascensão e Queda do Império X (Nova Fronteira), sobre o fracasso empresarial do ex-bilionário Eike Batista.

    Jornalista desde 1983, já passou por diversos veículos, entre eles: ISTOÉO GloboFolha de S.Paulo eTV Globo. É colunista no jornal Valor Econômico.