Mostrando todos os 2 resultados

Ordenar por:
  • img-book
    Peixe-elétrico #08 de Adriano Schwartz, Bianca Vasconcellos, Étienne Balibar, Fabiane Secches, Gilles Deleuze, Francisco Alvim, Lara Norgaard, Pedro Meira Monteiro, Renata Martins, Ronald Polito, Socorro Acioli, Tales Ab’Sáber, Zuca Sardan, R$ 14,90

    Leia nesta edição:

    Marxismo e Guerra
    Étienne Balibar

    Fascismo comum, sonho e história
    Tales Ab’Sáber

    Cartas
    De Gilles Deleuze para Félix Guattari

    Que horas são?
    Zuca Sardan e Francisco Alvim

    Nós não vamos pagar nada
    Pedro Meira Monteiro

    Deslocamentos e instabilidades na ficção de Luiz Alfredo Garcia-Roza
    Adriano Schwartz

    Canções pela vida toda
    Ronald Polito

    Tentação – Uma leitura do conto de Clarice Lispector
    Fabiane Secches

    Rubem Fonseca e o caso do testemunho ficcional
    Lara Norgaard

    A obra como vontade: uma experiência de escritura com Roland Barthes
    Socorro Acioli

    Chernóbyl – 30 anos e 1 dia depois (fotos)
    Bianca Vasconcellos

    Rap da República de Pindorama na Alemanha
    Renata Martins

  • img-book
    Ver lista de desejos
    Sem importância coletiva de Daniela Lima R$ 9,90

    Após o acidente de Chernobyl, o processo de descontaminação foi iniciado por soldados apelidados de bio-robôs. Soldados enviados para morrer. Soldados que iam onde nem as máquinas poderiam ir. A radiação parava câmeras fotográficas, de vídeo, robôs e até mesmo helicópteros.

    Um repórter perguntou a um bio-robô se ele sabia que ia morrer, ao que ele respondeu: “sim, a minha vida só tem valor se terminar assim”.

    A Ucrânia era parte da União Soviética e a maioria dos bio-robôs era membro do Exército Vermelho.

    É nesse ambiente que se passa Sem importância coletiva, novo livro da carioca Daniela Lima. A escritora já havia publicado Anatomia (Ed. Multifoco, 2012) e foi a única brasileira a ter seus textos selecionados pela prestigiosa antologia da The Buenos Aires Review (2014).

    Ricardo Lísias, autor da apresentação do livro, afirma: “Como tudo é muito concentrado, o leitor não tem muito tempo para respirar. É melhor encher o pulmão antes de mergulhar em Sem importância coletiva”.

    Partindo de cartas de superfície, esquemas das nuvens de contaminação, mapas geológicos do local do acidente e diagramas de arquivos científicos, o artista gráfico Fabiano Gummo interferiu nesse rico material para dar forma gráfica ao desastre, criando 6 ilustrações exclusivas para o livro.