Mostrando todos os 3 resultados

Ordenar por:
  • img-book
    A pista & a razão de Júlio Pimentel Pinto R$ 14,90

    Este livro é composto de cinco ensaios, que podem ser lidos separada ou associadamente. Neles o historiador Júlio Pimentel Pinto busca os fios da história da literatura policial. “No princípio era Poe”, ensaio de abertura, propõe um panorama histórico assistemático da origem dos relatos de enigma, insistindo na primazia poeana e identificando a constituição de procedimentos e métodos investigativos compartilhados pela polícia real e por policiais imaginários.”Borges, autor de policiais” analisa a peculiaridade dos policiais borgeanos escritos na obra individual e na obra em colaboração com Adolfo Bioy Casares.”A zona indeterminada do real” busca a emergência e os deslocamentos do policial em escritos de Ricardo Piglia. “O silêncio da Sicília” discute aspectos das obras de Leonardo Sciascia e Andrea Camilleri, suas narrativas policiais ocasionalmente sem elucidação e a expressão do gênero como denúncia política. “Notas da zona de sombras” recorre ao alemão W. G. Sebald como ponto de partida para esboçar as considerações finais deste trabalho.

  • img-book
    Buenos Aires, livro aberto de João Correia Filho R$ 19,90

    Com Buenos Aires, livro aberto, João Correia Filho dá continuidade à série de guias que trouxe à tona a urbanidade poética de Lisboa, Paris e São Paulo, e inauguraram um novo estilo de livros de viagem.  Lisboa em Pessoa, por exemplo, foi agraciado com o Prêmio Jabuti, em 2012, na Categoria Turismo.  Buenos Aires, livro aberto volta os olhos para a capital argentina e propõem revisitá-la a partir do universo de seus escritores, como Jorge Luis Borges, Julio Cortázar, Ernesto Sabato, Ricardo Piglia, Victoria e Silvina Ocampo, Alfonsina Storni, Roberto Arlt e muitos outros. As casas em que viveram, as livrarias em que estiveram, as ruas por onde passaram, os bares e cafés que frequentaram e muitos dos locais descritos em suas obras estão presentes em sete roteiros especiais.  Você conhecerá Buenos Aires auxiliado por ferramentas que só um livro digital e a internet podem oferecer – recursos do Google Maps, vídeos, música, uma galeria com mais de 100 imagens e um mundo de informações que complementam e atualizam a viagem, sem que isso pese na sua bagagem. Ou seja, você terá a cidade literalmente na palma da sua mão, e poderá se deixar levar inteiramente por sua poesia, soltar a imaginação e manter a emoção à flor da pele. Afinal, é disso que se constituem as grandes viagens.

  • img-book
    Peixe-elétrico #02 de Fredric Jameson, Bruno Rodrigues, Carlos Guilherme Mota, David Oubiña, Elias Thomé Saliba, Inés Azar, Leyla Perrone-Moisés, Lina Meruane, Maria Elisa Cevasco, R$ 14,90

    Nesta edição:

    A estética da singularidade – FREDRIC JAMESON
    Fredric Jameson volta a pensar a arte contemporânea em texto publicado originalmente na revista New Left Review. Autor de um estudo que influenciou gerações posteriores – Pós-modernismo, ou a lógica cultural do capitalismo tardio –, o grande intelectual norte-americano analisa algumas manifestações culturais para notar o caráter de singularidade que a arte pode estar tomando. Como sempre, Jameson utiliza em sua análise um arco bastante amplo de exemplos: da culinária à economia, passando pelo cinema e pela literatura.

    Introdução ao pensamento de Fredric Jameson – MARIA ELISA CEVASCO
    Principal especialista brasileira na obra de Fredric Jameson, Maria Elisa Cevasco apresenta o ensaio “A estética da singularidade” e publica uma longa entrevista com o autor. Tradutora de Jameson para o português, Cevasco esclarece os principais pontos de sua obra e aponta alguns caminhos de interpretação.

    Uma verdade revolucionária – LINA MERUANE
    Autora do romance Sangue no olho, a escritora chilena, descendente de palestinos, Lina Meruane publica um conjunto de crônicas descrevendo sua visita à Palestina em busca de suas raízes familiares. Com o mesmo estilo tenso de seus textos de ficção, as crônicas traduzem bem a situação palestina, o clima de opressão e preconceito que cerca um dos povos mais marginalizados do mundo contemporâneo.

    Fotos da Cisjordânia – RAFAEL GUENDELMAN
    As fotos de Rafael Guendelman ilustram não apenas o conjunto de crônicas de Lina Meruane como toda esta edição da Peixe-elétrico: eloquentes e ao mesmo tempo profundas, mostram a cor e o rosto da Palestina.

    Knausgård e a arte da autoficção – LEYLA PERRONE-MOISÉS
    Sempre atenta à literatura contemporânea, Leyla Perrone-Moisés analisa a obra do escritor norueguês Karl Ove Knausgard, decifrando os mecanismos de composição da série Minha luta, apresentando inclusive as possíveis razões do sucesso de público dos livros. O texto é exemplar da concepção de resenha que Peixe-elétrico cultiva.

    Revolução conservadora – ELIAS THOMÉ SALIBA
    Uma nova e polêmica abordagem da história do Brasil – a passagem do Império para a República – nos é apresentada em resenha do livro do historiador Marcos Costa. Saliba encontra as raízes dessa ideia, bem como sua originalidade e limites.

    O Tempo domesticado – CARLOS GUILHERME MOTA
    Se a biografia é um dos gêneros mais difíceis para um historiador, o que dizer então da autobiografia? Mota apresenta o rascunho inicial de sua futura autobiografia, no qual abre para o leitor dilemas epistemológicos e afetivos para se lidar com o próprio passado vivido.

    As matemáticas em Borges – INÉS AZAR
    A crítica argentina radicada nos Estados Unidos aprofunda o estudo das bases teóricas matemáticas que permeiam a composição de diversos textos do grande autor argentino Jorge Luis Borges. Situa assim o autor juntamente com a revolução no campo da física ocorrida no início do século XX e nos apresenta o que há de original na forma como ele entendeu essas mudanças no campo do saber.

    Borges e o cinema – DAVID OUBIÑA
    Jorge Luis Borges começa a perder a visão quando surge o cinema moderno. No entanto o crítico de cinema argentino David Oubiña revela o quanto Borges foi um entusiasta do surgimento do cinema e como, paradoxalmente, essa limitação ao cinema antiquado marcou os rumos da construção de uma obra literária moderna.

    A educação pela pedrada – BRUNO RODRIGUES
    Partindo de uma análise das manifestações de 2013, o ensaísta tenta compreender como as novas mudanças no panorama editorial brasileiro influenciam a própria concepção de cultura, ao mesmo tempo em que avalia a queda para o oficialismo que no geral tem dominado a literatura brasileira contemporânea.

    O contemporâneo entre tapas e beijos – RICARDO BARBERENA
    O artigo procura mostrar as dificuldades que um crítico literário enfrenta ao lidar com o texto contemporâneo. Além das dificuldades inerentes à própria análise de uma obra, o que está em jogo quando se trata do contemporâneo é um objeto que sequer foi inteiramente conhecido. Como estudar o que não se compreende por inteiro?