img-book
ISBN: 9788584741847
Categoria Tag:

Contos que conto

de Flávio Ulhoa Coelho

O livro Contos que conto foi um dos premiados na categoria conto da “V Bienal Nestlé de Literatura Brasileira” em 1991 e publicado, como parte do prêmio, pela Editora Estação Liberdade. Esgotado, o livro agora sai no formato e-book pela e-galáxia. Assim se referiu ao livro o escritor e crítico Muniz Sodré:

“Há uma espécie de “minimalismo” nos contos de Flávio Coelho, que consiste não no mero encurtamento dos textos, mas em insuflar na prosa o espírito da economia de meios e da repetição calculada de situações, de tal maneira que o tema vibra constantemente sob as frases. E aí está uma virtude de escritor: provocar isomorfismo entre a forma e a fabulação, para que permaneçam no leitor o tom, a eventual musicalidade do texto. 

Isso é muito evidente em contos como “Postal” e “Quatorze toques, geralmente”, não tão evidente em outros (onde às vezes a linguagem se enrijece por certos anacronismos de expressão), mas não há dúvida nenhuma de que em “Contos que conto” acontece essa intervenção singular na língua a que se tem chamado de estilo. O universo homogêneo e recorrente que emerge da criação é o nosso velho quotidiano, perscrutado com lente especial. 

Não deixa de ser reconfortante verificar que, em meio à crise da palavra escrita e à banalização da narrativa pelo lixo literário, a literatura resta, germinal, como semente de verde na fresta do asfalto.”

R$ 9,90

Ver lista de desejos
Ocultar
Tag:
O livro Contos que conto foi um dos premiados na categoria conto da “V Bienal Nestlé de Literatura Brasileira” em 1991 e publicado, como parte do prêmio, pela Editora Estação Liberdade. Esgotado, o livro agora sai no formato e-book pela e-galáxia. Assim se referiu ao livro o escritor e crítico Muniz Sodré: “Há uma espécie de “minimalismo” nos contos de Flávio Coelho, que consiste não no mero encurtamento dos textos, mas em insuflar na prosa o espírito da economia de meios e da repetição calculada de situações, de tal maneira que o tema vibra constantemente sob as frases. E aí está uma virtude de escritor: provocar isomorfismo entre a forma e a fabulação, para que permaneçam no leitor o tom, a eventual musicalidade do texto.  Isso é muito evidente em contos como “Postal” e “Quatorze toques, geralmente”, não tão evidente em outros (onde às vezes a linguagem se enrijece por certos anacronismos de expressão), mas não há dúvida nenhuma de que em “Contos que conto” acontece essa intervenção singular na língua a que se tem chamado de estilo. O universo homogêneo e recorrente que emerge da criação é o nosso velho quotidiano, perscrutado com lente especial.  Não deixa de ser reconfortante verificar que, em meio à crise da palavra escrita e à banalização da narrativa pelo lixo literário, a literatura resta, germinal, como semente de verde na fresta do asfalto.”

ISBN: 9788584741847
Data de publicação:
Páginas: 72

“Contos que conto”

Ainda não há avaliações de leitores para este título.