img-book
ISBN: 9788584742202

Se o grão de arroz não morre: colônias de imigrantes japoneses

de Masayuki Fukasawa

Desvendando onde e como tudo começou.

Em março de 1912, quatro anos depois da chegada do navio de imigrantes Kasato-maru, o fundador da colônia, Ikutaro Aoyagi fechou um contrato com o Governo Paulista na qual recebia 50 mil hectares de terra de graça com a condição de instalar um núcleo colonial. Na época, o Japão passava por uma grave crise de escassez de alimentos a ponto de ocorrerem diversas revoltas populares desencadeadas pela alta do preço do arroz. Os homens proeminentes da Era Meiji vislumbraram criar uma colônia com o objetivo de “enviar japoneses emigrantes, plantar arroz e fornecer a produção ao Japão”.

R$ 14,90

Ocultar

Colônias de imigrantes japoneses: desvendando onde e como tudo começou

Em março de 1912, quatro anos depois da chegada do navio de imigrantes Kasato-maru, o fundador da colônia, Ikutaro Aoyagi fechou um contrato com o Governo Paulista na qual recebia 50 mil hectares de terra de graça com a condição de instalar um núcleo colonial. Na época, o Japão passava por uma grave crise de escassez de alimentos a ponto de ocorrerem diversas revoltas populares desencadeadas pela alta do preço do arroz. Os homens proeminentes da Era Meiji vislumbraram criar uma colônia com o objetivo de "enviar japoneses emigrantes, plantar arroz e fornecer a produção ao Japão". Nas eras Meiji e Taisho (1868-1926), o Japão tentou criar conexões com o mundo por meio da emigração, que é um mecanismo de cooperação internacional, mas, em 1934, o Brasil promulgou a lei que restringia a imigração a uma cota de 2% do total de ingressantes no país nos últimos 50 anos, o que na prática, fechava as portas de entrada da América do Sul aos japoneses. A pressão emigratória japonesa da época era como uma panela de pressão a alta temperatura com a válvula girando e cuspindo vapor sem parar. Toda essa energia foi se voltando para a Manchúria e o Governo Japonês promoveu a emigração para as regiões da Manchúria e Mongólia organizando Grupos de Imigrantes Armados capitaneados pelo Exército de Guangdong. Essa foi uma grande encruzilhada da história. Como se a chama tivesse se apagado, o interesse pela emigração ao Brasil foi se reduzindo até o ponto em que no pós-guerra, a empreitada foi praticamente esquecida dentro da história contemporânea japonesa. A deflagração do conflito do Pacífico fez os japoneses do Brasil serem perseguidos como cidadãos inimigos do Eixo, principalmente nas regiões litorâneas como Santos e Registro. Apesar das tentativas, o plantio do arroz não era bem sucedido e os colonos passaram por sérias dificuldades. Em 1943, Torazo Okamoto pegou escondido sementes de chá preto da fábrica da Lipton no antigo Ceilão, Sri Lanka, e as trouxe até Registro, fazendo com que a região renascesse como a Capital Brasileira do Chá. Os japoneses criaram a "Capital do Chá" dentro do "Reino do Café". Em seu auge, sete empresas competiam entre si para produzir 12 a 13 mil toneladas de chá, o que representava 85% de toda a produção nacional. O país, no entanto, perdeu competitividade internacional devido à variação do câmbio.

ISBN: 9788584742202
Selo: Cultura Japonesa
Data de publicação: 2018
Páginas: 444

Primeira colônia de imigrantes no Brasil queria mandar arroz para o Japão, por Dante Ferrasoli em 18/06/2015 https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/06/1644228-primeira-colonia-de-imigrantes-no-brasil-queria-mandar-arroz-para-japao.shtml
1965
Nascido na província de Shizuoka, Japão, veio pela primeira vez ao Brasil em 1992, época em que estagiou no Jornal Paulista. Em 1995, voltou ao Japão e acompanhou o trabalho de brasileiros numa fábrica na província de Gunma. Essa experiência resultou no livro Parallel World, ganhador do Ushio Non fiction Award 1999. Trabalha no Nikkey Shimbun, onde é editor-chefe.

“Se o grão de arroz não morre: colônias de imigrantes japoneses”

Ainda não há avaliações de leitores para este título.