Olga-Curado-ensaio-073 cropao
Não posso conter a criação – se tentar, morro
Em 6 de fevereiro de 2019 | 0 Comentários

Após escrever mais de uma dezena de livros, Olga Curado conta o que fez para publicar

A jornalista e consultora Olga Curado ficou conhecida nacionalmente por orientar políticos famosos a melhorarem o discurso e a imagem durante as campanhas eleitorais. Antes disso, trabalhou por quase 15 anos na TV Globo e integrou a redação dos principais jornais do país.

Agora, Curado apresenta uma nova faceta: a escritora. Já publicou dez livros. Entre eles, A imagem revelada – sobre seu método que desvenda o conteúdo da imagem e assim, permite um melhor posicionamento –, e o de poesia À beira do abismo as árvores são azuis. A seguir, ela fala sobre sua experiência como autora de publicação independente:

Você optou em publicar de forma independente e em formato e-book tanto sua produção ficcional (poemas e contos) como livros voltados para a sua área de atuação profissional. Por que você escolheu esse caminho?

Olhando para a maneira como as pessoas se relacionam cada vez mais com apoio da tecnologia e reconhecendo que é com a ajuda da internet que os conteúdos se propagam de maneira mais simples e democrática, optei por disponibilizar grande parte da minha produção literária e de natureza profissional pensando em atingir de forma direta um público que se sente mais à vontade com as ferramentas tecnológicas. O meu foco foi a simplicidade e a agilidade.


[não ficção]

Como foi o processo de edição e publicação dos livros?

O essencial é ter apoio de profissionais atentos e competentes para suprir o desconhecimento do autor em relação aos processos produtivos e as qualificações especializadas – como edição, diagramação e criação de capa. Tive bastante sorte nesses quesitos o que me deixou bastante feliz com os resultados.

O essencial é ter apoio de profissionais atentos e competentes para suprir o desconhecimento do autor em relação aos processos produtivos e as qualificações especializadas

Você se envolveu com a divulgação dos livros de alguma maneira?

Confesso que não. E isso é uma falha que reconheço e agora tento remediar por meio de uso de minhas mídias sociais e no desenvolvimento de um novo site em que as obras também podem ser conhecidas. As minhas relações profissionais e visibilidade no mercado não tem qualquer vínculo com a atividade de escritora. O meu desafio é construir uma ponte sobre o fosso que separa a minha história como jornalista e consultora à minha produção autoral, tudo numa só identidade. Não é uma tarefa fácil porque, embora ao longo de toda a vida sempre escrevi, não tornei público esse trabalho.

 

O que você espera como retorno tanto da produção ficcional como da produção na sua área de trabalho?

Tenho a ambição de tocar corações e mentes como fui tocada por diversos autores, textos e criações artísticas. A literatura é, para mim, um espaço de reflexão e de emoção que tem uma grande capacidade transformadora. Ela nos ajuda a construir novos olhares sobre as nossas experiências e a realidade o que, muitas vezes, sozinhos não faríamos.

A literatura é, para mim, um espaço de reflexão e de emoção que tem uma grande capacidade transformadora.

Como você vê até aqui a aceitação por parte dos leitores do livro digital (e-book)?

O hábito de leitura do consumidor tradicional de literatura se modifica lentamente do papel para o e-book. O conteúdo técnico parece mais facilmente aderente ao leitor que se informa ou estuda com recursos on-line. Creio que é uma questão de tempo que o leitor irá incorporando mais o e-book como opção preferencial para a leitura. Ainda há um caminho a ser percorrido.

Quais os próximos passos na sua carreira de escritora?

Por a cara para fora, me mostrar mais como autora e escrever mais. Ainda tenho alguns títulos para serem publicados – em literatura infantil, poesia e estou trabalhando numa história relacionada ao Aikido, a arte marcial que pratico.

Tenho que tomar cuidado para não soterrar as pessoas com tanta escrita, mas não tenho como evitar o fato de que não posso conter a criação – se tentar, morro.

O meu esforço será o de divulgar mais o meu trabalho e vencer a minha própria ignorância e inércia em relação a necessidade de procurar espaços para que a minha poesia, as minhas histórias sejam conhecidas. Essa é uma tarefa que exige dedicação e continuidade. Estou reunindo coragem e buscando ajuda. O que escrevo, assumo, não é apenas para mim.


[poesia e prosa]

Leia outros depoimentos de escritores clicando aqui.

 

Foto: divulgação